quinta-feira, 20 de outubro de 2011

SUSTENTABILIDADE EM FRIGORÍFICOS

O Brasil, atualmente, possui o maior rebanho comercial do mundo, ocupa a segunda posição entre os países produtores e assumiu a liderança mundial na quantidade exportada. A pecuária de corte é uma das explorações agropecuárias mais significativas, tanto na geração de receitas internas como na pauta de exportação, e ainda incorpora tecnologias que aumentam a produtividade. O rebanho comercial brasileiro possui cerca de 204,7 milhões de cabeças (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2006).
O país tem a segunda maior produção mundial com cerca de 8,9 milhões de toneladas em equivalente carcaça (CORRÊA, et al, 2006). O que comprova o potencial brasileiro como fabricante de produtos a partir do boi, dentre os principais o couro, e a carne bovina. O abate e a produção referem-se especificamente à carne bovina, e também demonstram índices elevados. Atualmente o maior contingente de bovinos está no Mato Grosso (25,9 milhões de cabeças) e no Mato Grosso do Sul (24,7 milhões de cabeças) (IBGE, 2006).
Os agentes econômicos do fluxo produtivo, no caso da carne bovina, são: produção de insumos, produtores de bovinos, abatedouros/frigoríficos e a rede de distribuição (atacado e varejo). A cadeia produtiva da pecuária de corte brasileira é uma das mais complexas em relação à estruturação e aos agentes envolvidos, exercendo ao longo da história e do desenvolvimento brasileiros (MICHELS; SPROESSER; MENDONÇA, 2001).

Carne Bovina

O rebanho bovino brasileiro é um dos maiores do mundo – em torno de 198,5 milhões de cabeças, em 2006 (CNPC, 2006). Considerando-se uma população de cerca de 185,2 milhões de habitantes para este ano (CNPC, 2006), tem-se mais de um bovino por habitante, no Brasil. As maiores regiões produtoras estão no Centro-Oeste (34,24%), seguidas pelo Sudeste (21,11%), Sul (15,27%), Nordeste (15,24%) e Norte, com 14,15% do rebanho nacional (ANUALPEC, 2003 apud SIC, 2006).

A participação do estado de São Paulo no rebanho brasileiro é de cerca de 6 a 7% do total, em torno de 12,5 milhões de cabeças (SIC, 2006).Vários são os fatores para o aumento das exportações, dentre eles a baixa cotação do real, os baixos custos de produção (comparados aos do mercado externo) e a ocorrência da BSE (mal da “vaca louca”) em outras regiões do mundo. Por outro lado, alguns entraves também aconteceram, como as barreiras levantadas pela Rússia às exportações de carne brasileira e os recentes e freqüentes episódios relativos à febre aftosa.
"Exportações de carne bovina - Brasil (ABIEC, 2006)

A sustentabilidade empresarial, então, se baseia em:

- ISO 9001 (dimensão econômica): a oferta de produtos de qualidade pode contribuir para o aumento as exportações, gerar melhores resultados econômicos e financeiros para a organização e é considerado como uma estratégia organizacional.
- A ISO 14001 (dimensão ambiental): tratamento dos  efluentes, reciclagem dos resíduos, controle das emissões, adoção de tecnologias limpas, racionalidade dos recursos naturais (água e energia principalmente), atendimento a legislação ambiental, preservação do meio ambiente e exigência de conformidades por parte dos fornecedores.
- A OHSAS 18001 e SA 8000 (dimensão social): promoção da responsabilidade social, desenvolvimento dos colaboradores, saúde e segurança ocupacional, ações para o desenvolvimento da comunidade, atendimento dos direitos humanos e das práticas trabalhistas.

Texto disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/tecnologia/producao_limpa/documentos/frigorifico.pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário